Escolas da RAM treinam resposta a diversos tipos de riscos e catástrofes naturais

Exercício de risco: foto de arquivo

A Secretaria Regional da Educação salienta que, na semana que decorreu, foram simuladas diferentes situações de risco, natural e tecnológico, em várias escolas da Região, visando treinar os comportamentos e as reacções da comunidade escolar a essas situações, bem como testar a eficácia dos Planos de Prevenção e Emergência.

Durante a terça-feira, dia 23, foram executados simulacros de incêndio na EB1/PE da Tabua e também na EB1/PE da Serra de Água, em que se treinaram todos os procedimentos internos e externos de emergência nessa situação, sendo ainda relembradas as tomadas de decisão em eventuais situações de precipitação intensa.

Na quarta-feira, dia 24, decorreu uma intervenção do projecto “Segurança em Casa, na Rua e na Escola” no Colégio Apresentação de Maria, onde foram realizados, com sucesso, exercícios de evacuação dos dois edifícios da escola. Neste mesmo dia, foi dinamizada uma acção de sensibilização por elementos da Secretaria Regional de Educação, Serviço Regional de Protecção Civil e Associação Insular de Geografia para toda a comunidade escolar, subordinada ao tema dos riscos naturais e tecnológicos.

Na quinta-feira, dia 25, foi testado o plano de prevenção e emergência da Escola Dr. Horácio Bento de Gouveia, após ter sido simulado um incêndio num dos laboratórios existente no edifício. “De forma ordeira e disciplinada, demonstrando um bom planeamento, as cerca de 1600 pessoas que estavam no edifício conseguiram fazer a evacuação total em cerca de 8 minutos, o que segundo as autoridades presentes terá sido um tempo excelente”, refere-se.

Finalmente, durante a manhã de sexta-feira, dia 19, foi exercitada uma situação de abrigo na EB1/PE da Seara Velha, no sentido de treinar os alunos, docentes e não docentes para uma eventual situação de precipitação intensa, em que seja mais seguro fazer o abrigo no edifício. Foi relembrado o sinal de alarme de abrigo, os locais mais seguros da escola, assim como a dinâmica de organização interna nessa situação específica.

“Nas diferentes intervenções, estiveram envolvidas, além das instituições já referidas, as corporações de bombeiros locais e representantes das autarquias, todos num espírito de missão conjunta e integrada, para continuar a melhorar as condições de segurança das escolas e a fomentar uma cultura de segurança na comunidade escolar, determinante para uma cidadania consciente face aos diferentes riscos” refere a Secretaria da Educação.