M-ITI ganha financiamento para projeto na África Subsariana

Foto: M-ITI
Foto: M-ITI

O Madeira-ITI posiciona-se, mais uma vez, na vanguarda da investigação, ao ser contratado para executar o projeto de investigação “Ecossistemas de Tecnologia Social na África Subsariana”, pela parceria de três grandes fundações britânicas que concedem subsídios nos domínios da tecnologia social e desenvolvimento internacional, a Comic Relief, a Indigo Trust e a Nominet Trust.

Segundo uma nota hoje divulgada, este ambicioso projeto será liderado pelo professor Chris Csikszentmihalyi do Madeira-ITI, um European Research Area Chair, que há vinte anos se dedica à investigação na área da tecnologia e inovação social.

Chris Csikszentmihalyi irá conduzir uma equipa de investigação internacional, que inclui investigadores especialistas do Uganda, Zimbabwe, Jamaica, Europa e América do Norte.

O M-ITI respondeu a este apelo por um imperativo: a nossa equipa tem um profundo desejo de promover a inovação sustentável na África Subsariana (AS), mas reservas igualmente profundas sobre muitas das narrativas de inovação que são empurradas para o continente. Estamos ansiosos para encontrar iniciativas locais bem sucedidas, a partir das quais construir uma teoria frutífera e prática de modelos adequados de inovação na África Subsariana, na opinião de Chris Csikszentmihalyi.

Anne Radl, gestora do programa de desenvolvimento na Nominet Trust, que irá coordenar este projeto em representação dos três financiadores afirmou que: A Comic Relief, a Indigo Trust e a Nominet Trust estão empolgadas para embarcar neste percurso de pesquisa rica e variada com o Madeira-ITI.

O âmbito da pesquisa é ambicioso, mas é proporcional ao enorme valor que virá da compreensão do que sustenta as inovações tecnológicas sociais na África Subsariana e lhes permite prosperar.

“Estamos ansiosos por sermos desafiados em como apoiar os ecossistemas de tecnologia social para serem robustos e resistentes e para refletir novas visões sobre o ecossistema de tecnologia social no Reino Unido”, revela.

Este grande estudo decorrerá nos próximos cinco meses e abrangerá a África anglófona, francófona e lusófona, a fim de refletir a diversidade do continente. A metodologia envolverá tanto o trabalho de campo prático em seis países da África Subsariana como, também, uma análise aprofundada das práticas existentes de tecnologia social em toda a região através de uma abordagem de nomeação de pares.

O processo será documentado em tempo real através de um blog, que será criado especificamente para o projeto, com entrevistas, vídeos e análises à medida que a pesquisa progride, bem como o relatório final, quando concluído em abril de 2017.

O relatório final, uma base de dados de fonte aberta e um mapa interativo de atores de inovação na região, serão divulgados aos decisores políticos e financiadores de tecnologia e inovação social na África Subsariana para promover um investimento melhor informado em tecnologia social.

Os resultados desta pesquisa serão também apresentados na conferência internacional “Narrativas Estratégicas de Tecnologia e África”, organizada pelo Madeira-ITI, e prevista para setembro de 2017, que irá reunir estudiosos africanos de topo, produtores culturais e empresários para apresentar e re-imaginar possibilidades sociotécnicas em África.