Bombeiros afadigam-se com reacendimentos; população homenageou-os no Funchal

 

calheta fogo - sapo.pt

Uma sirene dos Bombeiros Municipais fez-se ouvir hoje ao final do dia, mas não se tratava de nenhum sinal de emergência, como acontecia antigamente. Foi apenas a forma dos Bombeiros retribuírem a homenagem que lhes foi hoje prestada pela população, nomeadamente por um grupo de pessoas que se juntou no centro do Funchal, após uma caminhada que percorreu as zonas onde se situam os quartéis das forças de socorro e segurança. As pessoas circularam pelos quartéis da GNR, PSP, BVM, Bombeiros Municipais, Cruz Vermelha e Exército.

p_20160813_210847.jpg
Uma marcha homenageou os bombeiros e outras forças de socorro e segurança

Entretanto, há fogos que continuam activos no concelho do Funchal. Contactados os Bombeiros Voluntários Madeirenses e os Bombeiros Municipais, estes deram conta ao Funchal Notícias de que têm continuado a intervir activamente em várias zonas, onde se verificam reacendimentos. Nada que considerem particularmente preocupante: o fogo “vai moendo” durante dias e qualquer vento reacende as áreas já ardidas, mas verificarem-se aí pequenos focos não é grave. Hoje os Bombeiros andaram pelo Terreiro da Luta, Ribeira das Cales, Parque Ecológico, Caminho do Terço, e São João Latrão onde se verificaram reacendimentos entretanto controlados.

Cerca das 22 horas de hoje, os Bombeiros dirigiam-se para a Estrada do Livramento, onde se verificava também um incêndio já com alguma dimensão, que ameaçava residências. Os BVM passaram essa tarefa aos Municipais, já que nessa altura se afadigavam em outras incumbências, entre as quais o controle de um pequeno foco de incêndio nas neves.

Segundo nos disseram os Bombeiros, as pessoas andam muito nervosas, o que é natural. Qualquer fumo, mesmo que seja de churrasco, dá logo azo a chamadas para os Bombeiros, como ainda ontem aconteceu nas proximidades da Praça do Carmo, aonde se dirigiu uma viatura…

“Pode ser que tudo isto sirva para que as pessoas se consciencializem de que é mesmo necessário limpar os terrenos”, disse-nos o chefe Nélio, dos Bombeiros Voluntários.