Ondas gravitacionais de Einstein “vistas” de buracos negros

screenshot_2016-02-11-20-02-54.png

A comunidade científica internacional está em polvorosa, com a observação do desdobramento do espaço-tempo gerado pela colisão de dois buracos negros situados a mais de mil milhões de anos luz da terra.

Uma equipa internacional de cientistas diz que a detecção destas ondas gravitacionais, previstas por Einstein, permitirá desenvolver uma nova era na astronomia. É o corolário de décadas de pesquisa e poderá, em última análise, oferecer uma visão inovadora sobre o Big Bang, a grande explosão que criou o nosso universo.

A pesquisa, pela ‘Ligo Collaboration’, foi publicada hoje no jornal científico Physycal Review Letters.

Esta equipa de colaboradores opera um conjunto de laboratórios no mundo inteiro que disparam lasers através de longos túneis, tentando observar desdobramentos no tecido do espaço-tempo.

Os sinais esperados são muito subtis, e perturbam as máquinas conhecidas como interferómetros apenas por fracções do tamanho de um átomo, mas a sobreposição dos dois buracos negros foi captada por dois laboratórios diferentes nos EUA, e irradia três vezes a massa do Sol em pura energia gravitacional, refere a BBC.,

O director do projecto LIGO, prof. David Reitze, disse aos jornalistas que detectou ondas gravitacionais, “a primeira vez que o Universo nos falou através de ondas gravitacionais. Até agora, temos estado surdos”, referiu.

O prof. Karsten Danzmann, do Instituto Max Planck para Física Gravitacional, na Alemanha, considerou que este é um dos mais importantes momentos da ciência desde a descoberta da partícula de Higgs, e que emparelha com a determinação da estrutura do ADN.

“Há um prémio Nobel nisto, não há dúvida”, disse à BBC.

Esta é uma confirmação da Relatividade Geral de Albert Einstein, porque as propriedades destes buracos negros estão perfeitamente de acordo com o que o famoso cientista previu quase há 100 anos.