21 madeirenses com ‘pulseira electrónica’ e 52 em liberdade condicional

pulseira
Foto DGRSP

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) está a acompanhar actualmente, na Madeira, (dados de Dezembro de 2015) 21 indivíduos com ‘pulseira electrónica’ (vigilância electrónica/pena de prisão na habitação ou medida de coacção).

O acompanhamento da DGRSP estende-se a 52 indivíduos em liberdade condicional e 508 com penas e medidas de execução na comunidade, a maior parte destas de trabalho a favor da comunidade.

Os dados foram revelados ontem à noite pelo Delegação Regional de Reinserção na Madeira, Samuel Freitas, numa palestra, na escola da APEL.

A palestra foi organizada no âmbito da disciplina de Processo Civil do curso de educação e formação de Técnico de Serviços Jurídicos, subordinada ao tema “A Reinserção Social e as suas diferentes valências”.

Recorde-se que os serviços de Reinserção Social prestam ainda apoio técnico aos tribunais e acompanham aqueles que os juízes submetem a regime de prova.

Samuel Freitas referiu ainda que, em breve, arranca, na Madeira, mais uma valência de trabalho em rede, o programa Contigo, especificamente direcionada para os casos de violência doméstica.

António Samuel Correia Freitas nasceu a 27/03/1971, é casado, funcionário público (afecto ao Ministério da Justiça), licenciado em Sociologia, pela Universidade da Beira Interior concluída em 1993.

É delegado Regional da Madeira da ex-Direcção-Geral de Reinserção Social (DGRS), desde 1 Maio de 2007.

Foi coordenador da Equipa de Vigilância Electrónica do Funchal da DGRS (em regime de acumulação de funções), desde 1 de Fevereiro de 2005.

É assistente convidado da Universidade da Madeira da disciplina de Inclusão e Reinserção Social desde o ano lectivo 2002/2003.

Foi coordenador da Equipa do Funchal Penal do também ex-Instituto de Reinserção Social de 1 de Julho de 2001 a 30 de Abril de 2007.

É técnico superior de Reinserção Social desde 20 de Junho de 1994.

Após o período de instrução obrigatória foi graduado Aspirante a Oficial das Forças Armadas Portuguesas e colocado no centro de classificação e selecção de Lisboa onde exerceu funções de coordenação no gabinete de aplicação e correcção de testes psicotécnicos durante o cumprimento do Serviço Efectivo Normal, de Fevereiro a Maio de 1994.

No início do seu percurso profissional foi ainda professor do 2.º Ciclo do ensino Básico, de 1 de Setembro de 1993 a 31 de Dezembro de 1993.