Paróquias celebram Imaculada Conceição

Capela N S Conceição em C. Lobos
Capela de Nossa Senhora da Conceição, em Câmara de Lobos. Foto DR

No dia 8 de dezembro a Igreja celebra a festa da Imaculada Conceição, ou Nossa Senhora da Conceição.É a padroeira das paróquias de Machico, Porto Moniz e Conceição, na freguesia da Ponta do Sol, sendo também assinalada com festa exterior nas capelas que lhe são dedicadas em Câmara de Lobos, São Roque, Arco da Calheta e Ribeira Brava, Na Camacha, em Santa Maria Maior, no Porto da Cruz, em São Jorge, no Paul do Mar e no Monte também se realizam festas dedicada a Nossa Senhora da Conceição com procissões.
O dia de Nossa Senhora da Conceição na Madeira marca o início dos preparativos para a «Festa» denominação popular do Natal. Antigamente era o dia em que se fazia a função do porco o que ainda sucede nalgumas localidades. Também é tradição deitar o trigo de molho para que possa ser semeado na primeira Missa do Parto (a 15 ou 16 de dezembro) e depois colocado no presépio.

O dogma da Imaculada Conceição de Maria foi proclamado pelo Papa Pio IX, a 8 de dezembro de 1854, através da bula ‘Ineffabilis Deus’, a qual declara a santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da sua existência, sendo preservada do pecado original.
A ligação entre Portugal e a Imaculada Conceição ganhou destaque em 1385, quando as tropas comandadas por São Nuno Alvares Pereira derrotaram o exército castelhano e os seus aliados, na batalha de Aljubarrota, e consolidaram a afirmação da identidade lusitana.

Em honra a esta vitória, o Santo Condestável fundou a igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Vila Viçosa, e fez consagrar aquele templo a Nossa Senhora da Conceição.

Um segundo passo deu-se durante o movimento de restauração da independência que acabou com o domínio castelhano em Portugal e que culminou com a coroação de D. João IV como rei de Portugal, a 15 de dezembro de 1640, no Terreiro do Paço, em Lisboa.

O mesmo D. João IV coroou a Imagem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa como Rainha e Padroeira de Portugal durante as cortes de 1646.