MAR apresentado na Sociedade de Geografia de Lisboa

Francisco costaO Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) foi o tema da mais recente conferência organizada pela Secção de Transportes da Sociedade de Geografia de Lisboa.

No passado dia 15 de Outubro, sob a temática “Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR)-Uma oportunidade para o Futuro marítimo de Portugal”, cerca de quarenta personalidades tiveram a oportunidade de ouvir e debater diversas aspectos relacionados com este sector de actividade com base nas intervenções dos oradores convidados, Alexandra Amolly, especialista em Direito Marítimo, e Francisco Costa, Presidente da S.D.M. – Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, entidade que gere e promove o MAR, um dos sectores de actividade do Centro Internacional de Negócios da Madeira.

Perante uma plateia constituída por uma grande diversidade de especialistas, com armadores portugueses e entidades do sector, consultores, juristas e membros da Sociedade de Geografia de Lisboa, Francisco Costa abordou o impacto do Registo Internacional de Navios português para a economia do mar e para o sector da marinha mercante em particular, e a sua evolução desde o momento da sua criação aos desenvolvimentos mais recentes.

O Presidente da S.D.M. frisou que nos últimos anos o MAR tem vindo a registar uma evolução muito favorável, tornando-se um sector muito dinâmico no quadro do Centro Internacional de Negócios da Madeira, com resultados positivos para os quais têm contribuído as alterações técnicas e legislativas tomadas recentemente pelas entidades competentes, a nível regional e nacional, e potenciado a capacidade deste registo de navios português de competir internacionalmente.

Francisco Costa fez notar também que o aumento da competitividade do Registo assegura um contributo muito concreto para o desenvolvimento da “economia do mar”, tanto na Região como no País,  traduzindo-se num conjunto de efeitos directos e indirectos importantes, nomeadamente na criação de postos de trabalho, tanto em terra como nos navios; na promoção do nome Madeira; no desenvolvimento dos mais variados serviços de apoio; na captação de receitas diversas, incluindo fiscais, e na confirmação de um papel prestigiado e reforçado de Portugal nos organismos internacionais relacionados com o sector.

No debate que encerrou a conferência houve ainda oportunidade para esclarecimentos adicionais sobre este sector da actividade económica nacional.