Cantaria de antigo túnel removida de estaleiro na Ribeira de São João

Esta manhã, as grandes peças de cantaria eram removidas do estaleiro.
Esta manhã, as grandes peças de cantaria eram removidas do estaleiro junto à foz da Ribeira de São João.

Rui Marote (Texto e Fotos)

A objetiva do Funchal Notícias captou esta manhã a movimentação de centenas placas de cantaria vermelha, precisamente, onde decorrem as obras de requalificação do troço final da Ribeira de São João, junto ao edifício Infante.

O material inerte, ao que se julga, proveniente do antigo túnel que existia entre a Rotunda do Infante e a foz junto ao varadouro de São Lázaro, estava a ser transportado para viaturas pesadas pertencentes ao consórcio que está a realizar as obras, indicando a sua remoção da zona do estaleiro.

O FN não conseguiu apurar, para já, qual o destino das placas de cantaria vermelha talhadas, mas conseguiu perceber que as mesmas se encontravam devidamente numeradas e acondicionadas.

Sabe-se que o antigo túnel existente sob o edifício Infante terá sido desativado com o desvio da foz da Ribeira de São João, no âmbito das obras de requalificação da frente mar decorrentes do 20 de fevereiro.

As referidas placas de cantaria, dada a sua resistência e estabilidade conhecidas desde o passado, fariam parte da estrutura do antigo túnel. Ao que parece, o consórcio de construção que opera na zona – AFA, Tâmega e Tecnovia Madeira -, decidiu desmantelar as peças e remove-las do local.

São muitas as peças que asseguravam a estrutura do antigo túnel. Resta saber onde serão armazenadas e que finalidade terão.
São muitas as peças que asseguravam a estrutura do antigo túnel. Resta saber onde serão armazenadas e que finalidade terão.

Esta pedra foi, no passado, largamente usada na arquitetura regional, inclusive, nos edifícios mais nobres e icónicos da cidade, como é o caso da Sé. Atualmente, escasseia no mercado, atingindo preços elevados, pelo que qualquer achado configura um grande valor.

O Funchal Notícias recorda as dificuldades que, há anos, os técnicos responsáveis pela recuperação das fachadas da Sé Catedral tiveram em encontrar cantaria vermelha, idêntica à que hoje estava a ser removida do estaleiro. Sendo um bem patrimonial da Região e estando a obra sob a tutela das Sociedades de Desenvolvimento da Madeira, importa assegurar que não se perca o rasto à cantaria e que a mesma possa ser reaproveitada para fins públicos, no futuro.