Missa e sessão de encerramento do processo de beatificação da Madre Virgínia Brites em Santo António

O Bispo do Funchal, no próximo dia 2 de outubro, encerrará a fase diocesana do processo de beatificação e canonização da Madre Virgínia Brites da Paixão, na igreja paroquial de Santo António. O  processo será enviado para a Congregação das Causas dos Santos para estudo.

O encerramento do processo na fase diocesana consta da celebração da missa às 10h na igreja paroquial de Santo António, presidida Bispo do Funchal, D. Nuno Brás da Silva Martins. Após a Missa, será realizada a última sessão do processo e o envio dos autos do processo para a Congregação das Causas dos Santos em Roma.

Recorde-se que o Processo da Madre Virgínia teve a sua abertura na Diocese do Funchal, no dia 29 dezembro de 2006, com sessão no Mosteiro da Caldeira, em Câmara de Lobos.

Foram escutadas 15 testemunhas. A Comissão Histórica entregou toda a Documentação no dia 22 de setembro de 2021. O Processo consta de 5470 páginas de autos processuais e documentos sobre a vida, virtudes da Serva de Deus. Três sacerdotes realizaram um estudo apurado sobre os seus escritos e sobre as relevações particulares recebidas.

A Serva de Deus nasceu em 1860 e viveu até 1929, praticando todas as virtudes. A sua vida passada no Mosteiro das Mercês, onde foi eleita Abadessa pela sua comunidade, e depois em casa no Lombo dos Aguiares, foi exemplar. Quando em 1910, após a implantação da República, o Mosteiro foi encerrado ela regressou a casa dos pais e retomando no quotidiano a vida segundo as regras do Mosteiro, viveu com o Povo e para o Povo, dando a conhecer a sua íntima união com Deus, a alegria de O conhecer e amar e difundindo a devoção ao Imaculado Coração de Maria. Tornou-se, graças às revelações particulares recebidas, uma grande missionária do Imaculado Coração de Maria conhecida em toda a Ilha da Madeira, Porto Santo, Açores, Continente. Enviou para Roma, para o Santo Padre, as revelações recebidas que tornaram possível o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao Céu e a construção de uma Basília dedicada ao Imaculado Coração de Maria.

A Madre Virgínia viveu a sua consagração religiosa em oração intensa, grande caridade aos irmãos e em generosa oblação ao Pai.

 

A 17 de janeiro de 1929 consumou santamente o sacrifício da sua vida com serenidade, no silêncio do seu compromisso com Deus e com a pessoa que sofre. Foi sepultada no cemitério de Santo António.