Filipa Venâncio com nova exposição de pintura na Capela da Boa Viagem

A vereadora com o pelouro da Cultura na CMF, Madalena Nunes, esteve presente na Capela da Boa Viagem, para a inauguração da exposição “Casa da Capela”, da artista plástica madeirense Filipa Venâncio. A mostra, que conta com nove pinturas em acrílico sobre tela, estará patente até ao próximo dia 2 de Abril.

Madalena Nunes referiu, na ocasião, que “é com enorme satisfação que, apesar dos tempos conturbados que estamos a viver e das restrições impostas ao meio cultural, conseguimos abrir esta capela para acolher mais uma exposição de uma artista regional. É um prazer para a Câmara Municipal do Funchal acolher neste espaço o trabalho da Filipa Venâncio e também de todos aqueles artistas que, tal como ela, desafiam sempre a sua própria criatividade e a imaginação de todos nós.”

Filipa Venâncio é licenciada em Artes Plásticas/Pintura pelo Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira, ISAPM, em 1991, e costuma expor regularmente desde 1987. Participou em inúmeras exposições colectivas, e em parceria, mas privilegia projetos a solo, contando com 12 exposições individuais no seu currículo artístico, que estão disponíveis para visualização no seu site pessoal.

“Todas as relações dos artistas com a nossa cidade são especiais e a Filipa ajuda-nos com as suas obras a sentir a capela de outra forma e a criar memórias, contribuindo aqui neste espaço para um dos objetivos da Câmara Municipal do Funchal, que passa por tornar a arte e a cultura acessíveis a todos”, concluiu a autarca.

Filipa Venâncio descreve esta sua exposição como, de algum modo, uma narrativa. Na folha de sala pode ler-se que neste projecto expositivo, “ambiências mobiladas e repletas de quadros, pianos e vasos com plantas, provenientes dessas geografias longínquas, inusitadas e improváveis (…) são convocadas, num exercício de desmultiplicação de referências, para uma reconfiguração do interior da capela, na pintura. Peças de arte sacra deslocadas, encontram aqui o seu repouso”.

Os trabalhos, acrescenta-se, evocam ainda “o tratamento do espaço ensaiado na exposição “Andar Modelo” (2009) cujo título deixava antever o que podia ser observado em todas as salas do Museu de Arte Contemporânea, na vizinha Fortaleza de São Tiago: através da transformação do interior do Museu numa moradia (…)”.