UMa adapta actividade por causa das restrições governamentais

O Conselho de Gestão da Universidade da Madeira tomou deliberações quanto ao funcionamento daquele estabelecimento de ensino, tomando em conta as medidas ontem comunicadas pela Presidência do Governo Regional da Madeira, destinadas a manter o controlo da propagação do coronavírus. Assim, na sequência da deliberação n.º 1/1/2021 do Conselho de Gestão, este Conselho determinou que as actividades escolares previstas para a semana de 11 a 16 de Janeiro de 2021 deverão prolongar-se até ao fim do 1º semestre, com funcionamento presencial apenas das componentes curriculares que não possam ser lecionadas à distância, bem como de avaliações.

Até ao dia 31 de Janeiro, todas as actividades da Universidade deverão encerrar até às 18h, de 2ª a 6ªfeira, e até às 17h, no sábado, de modo a se poder cumprir com a anunciada interdição de circulação na via pública.

As actividades curriculares que estavam agendadas após os limites horários acima referidos e que não possam ter lugar à distância deverão ser reprogramadas. Sempre que as entidades de acolhimento o permitam, manter-se-á o funcionamento dos estágios curriculares.

Por outro lado, o início do segundo semestre será adiado por uma semana, começando a 1 de Março, à excepção dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais, que funcionarão a partir do dia 8 de Março. As semanas de 25 de Janeiro a 27 de Fevereiro (de 8 de Fevereiro a 6 de Março, no caso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais) serão reservadas para reprogramações de actividades necessárias, para as avaliações da época normal em falta e para a época de recurso.

Os directores de Curso, em conjugação com os Responsáveis das unidades curriculares; e os Presidentes e Secretariados das Faculdades e Escolas, e os Presidentes dos Conselhos Pedagógicos, Universitário e Politécnico, em articulação com a Vice-Reitora para os Assuntos Académicos, serão os responsáveis por esta operacionalização.

A Universidade continuará a funcionar de acordo com o seu plano de contingência, seguindo as orientações das Autoridades de Saúde, e adaptará os seus procedimentos em função da evolução da pandemia, aguardando-se por eventuais decisões do Governo da República com reflexo na Universidade.