Mesmo com a crise foram abertas mais 27 empresas do que as dissolvidas na Madeira em Abril, Maio e Junho

No 2.º trimestre de 2020, o saldo entre o número de constituições e de dissoluções de sociedades foi positivo (+27), num contexto de baixa dinâmica.

Segundo os dados fornecidos pela Direção Geral da Política de Justiça ao INE, no segundo trimestre de 2020, o número de constituições de sociedades (111) com sede na Região Autónoma da Madeira foi superior ao número de dissoluções (84), resultando num saldo positivo de 27 sociedades.

Comparativamente ao período homólogo, observaram-se menos 139 constituições e menos 25 dissoluções. De notar que aqueles valores são significativamente baixos olhando à série disponível, sendo que no caso das dissoluções é o menor desde o 4.º trimestre de 2008.

Não estando disponível a desagregação por trimestre para as constituições entre o 1.º trimestre de 2006 e o 4º trimestre de 2009, pode-se afirmar que nos últimos 10 anos não existe um valor tão baixo de constituições.

Desagregando os dados de acordo com a Atividade Económica das sociedades constata-se que para o saldo global positivo no trimestre em referência, contribuíram essencialmente as “Atividades imobiliárias” (+10), a “Construção” (+9), as “Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares” (+5) e as “Atividades de informação e de comunicação” (+4).

Em sentido inverso, a atividade de “Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos” (-6) e as “Outras atividades de serviços” (-2) registaram um saldo negativo. No período em referência, o número de constituições foi superior ao de dissoluções em seis municípios: no Funchal (81 contra 59), Santa Cruz (12 contra 9), Câmara de Lobos (7 contra 5), Machico (5 contra 3), Santana (2 contra 0) e Porto Santo (1 contra 0).

No município da Ribeira Brava, o número de constituições igualou o de dissoluções. Nos municípios da Calheta (1 contra 3), Ponta do Sol (1 contra 2) e Porto Moniz e São Vicente (0 contra 1, em ambos os municípios), o número de constituições foi inferior ao de dissoluções.

Entre janeiro e junho de 2020, o saldo entre constituições e dissoluções de sociedades, foi de +111 (355 constituições contra 244 dissoluções).

Por atividade, observa-se que o saldo positivo mais pronunciado vem das “Atividades imobiliárias” (+20), do “Alojamento, restauração e similares” e da “Construção” (+17, em ambas as atividades), das “Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares” (+15) e das “Outras atividades de serviços” (+12).

Em sentido inverso, observaram-se saldos negativos na “Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos” (-9) e nas “Indústrias extrativas” (-1).

Em relação aos municípios que mais contribuíram para o valor do saldo global foram o Funchal (+70) e Câmara de Lobos (+12). Apenas em Santa Cruz, o número de constituições foi inferior ao de dissoluções (33 contra 34).

Nos primeiros seis meses do ano, o rácio entre constituições e dissoluções na RAM foi de 1,45, valor inferior ao observado para o país (2,47).