SESARAM faz campanha de sensibilização sobre o coronavírus na hora das visitas hospitalares

A Madeira prepara-se para a eventualidade de virem a ocorrer casos relacionados com o coronavírus, uma realidade cada vez mais visível na Europa e com números verdadeiramente assustadores no país onde tudo começou, a China, onde se contabilizam mais de 2 mil mortos e mais de 74 mil casos diagnosticados. Hoje, o SESARAM começou já uma campanha de informação, no horário das visitas, sensibilizando as pessoas para a necessidade de tomarem as devidas precauções e informarem os serviços de saúde se recentemente, elas próprias ou familiares, estiveram em algumas das áreas consideradas críticas ou se tiveram contacto com pessoas que tenham estado nessas mesmas regiões.

Na Europa, Itália apresenta 12 mortos e 374 casos registados. Entre aas vítimas mortais, há uma criança de 4 anos, duas de 10 e uma de 15 anos, sendo que a região de Lombardia é a zona mais afetada pelo vírus. E é precisamente a Lombardia uma das zonas que constam da lista apresentada pelos funcionários do SESARAM nesta informação aos visitantes. Em matéria de países, a lista alerta para China, Coreia do Sul, Singapura, Japão, Inglaterra, Irão e Itália, nesta caso apontando várias regiões como Lombardia, Piemonte, Venêto e Emília.

Depois de no todo nacional terem acontecido já vários casos em investigação, a verdade é que todos eles deram resultados negativos, estando já no terreno um plano de prevenção e intervenção que foi alargado a vários hospitais, designadamente o Hospital de São João, no Porto, o Dona Estefânia e o Curry Cabral, em Lisboa, que estão assim na primeira linha da emergência face à epidemia, que está longe de traduzir a verdadeira dimensão do que se passa no terreno e nos diversos países.

A Organização Mundial de Saúde anunciou, a este propósito, que muitos países, sem especificar quais, não estão a dar conta dos registos reais da epidemia, alertando para a necessidade dos “faltosos” terem isso em conta e transmitirem os verdadeiros números à OMS para que a intervenção possa ser a correspondente à situação realmente verificada.

Também na OMS, a diretora de Saúde Pública alertou para outro problema que está a resultar numa “corrida” às farmácias, cujo stock de máscaras e desinfetante está a esgotar. Maria Neira diz que a forma “mais efetiva para prevenir o contágio é lavar as mãos com frequência” e referiu que “não se justifica que se esgotem as máscaras e os geles desinfetantes, referindo que a situação se baseia no “medo e na angústia das pessoas, o uso de máscaras é para pessoal de saúde e apelou para que se evite o uso de forma irracional”, refere aquela responsável citada em nota do Expresso online.

A Madeira acelerou a sua estratégia de prevenção, provavelmente fruto da existência, em Canárias, de um caso em avaliação, estão mil turistas isolados numa unidade hoteleira, para despiste da doença. Não há indicações da existência de portugueses entre os turistas. O plano regional deu novo impulso com uma reunião, ontem, entre todos os departamentos envolvidos no setor da Saúde.

De referir que, segundo conseguimos apurar, o SESARAM já começou a rastrear eventuais situações relacionadas com este processo de prevenção do coronavírus, sendo que, apesar de não terem sido registados quaisquer casos, houve necessidade de deslocalizar doentes com suspeitas de gripe A, para uma área isolada, onde foram tratados vários casos depois das devidas análises terem sido enviadas para Lisboa.