Ireneu lança apelo de apoio aos antigos combatentes e acredita que o “Estatuto” será uma realidade

Ireneu Dia do ArmistícioO Representante da República para a Madeira mostrou-se hoje satisfeito com o facto de neste XXII Governo constitucional ter sido da Secretaria de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, no âmbito do Ministério da Defesa Nacional. E lançou um apelo no sentido de um apoio aos antigos combatentes, “muitos deles sofrendo de stress pós-traumático, é um imperativo ético e de consciência”.

A declaração foi avançada no âmbito das comemorações levadas a efeito, hoje, pelo Núcleo Regional da Liga dos Combatentes, considerando que “não há outras funções que se possam comparar àquelas que são executadas pelas nossas Forças Armadas em frentes ativas de combate”.

Ireneu Barreto considera que “há, naturalmente, um aspeto simbólico na criação desta Secretaria de Estado, mas há um ainda mais importante significado político e jurídico: o Estado reconhece a existência de deveres para com os Antigos Combatentes, cujos interesses passam a ter representação específica ao nível do Governo. Esta nova Secretaria de Estado é a garantia de uma maior — e faço votos de que plena — satisfação dos direitos históricos dos Antigos Combatentes”.

O Representante está convencido que o “Estatuto do Antigo Combatente”, que foi adiado nos últimos dias do anterior Governo, será, deverá ser uma realidade no mais curto prazo. Esse Estatuto constituirá um elementar ato de justiça para com todos aqueles que deram o melhor das suas vidas ao serviço da Pátria”.

Ireneu Barreto refere que “o nosso sentimento perante os nossos militares mortos em combate deve ser sempre o mesmo, qualquer que seja o contexto existencial das Forças Armadas: o de respeito e gratidão”.

Lembra o Túmulo do Soldado Desconhecido, instalado no Mosteiro da Batalha, na Sala do Capítulo, encimado pelo Cristo das Trincheiras, que recebeu dois corpos de soldados desconhecidos, um vindo da Flandres, outro de Moçambique, para expressar que “Ele homenageia todo o militar português que haja tombado no campo de batalha, qualquer que tenha sido o tempo e o lugar.

Por isso, façamos nossa, aqui hoje, essa sentida homenagem, ao assinalarmos conjuntamente o 101.º Aniversário do Armistício da Grande Guerra, o 45.º Aniversário do fim da Guerra do Ultramar, bem como o 98.º Aniversário da Liga dos Combatentes.