Pedro Ramos enaltece a Equipa de Apoio Psicossocial

O secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, enalteceu hoje a acção da Equipa de Apoio Psicossocial (EAPS), destinada a apoiar os doentes paliativos e os seus familiares, e que iniciou actividade há oito meses na RAM.

A Rede de Cuidados Paliativos (RCP) desde a sua constituição, em 2012, tem observado um crescente aumento do número de referenciações de doentes em fase paliativa, quer a nível domiciliário, quer a nível hospitalar, refere o SESARAM. Estes doentes e seus familiares/cuidadores necessitam de resposta, em tempo útil, dos cuidados paliativos em todas as suas dimensões de intervenção (física, social, psicológica e espiritual). Foi na tentativa de ajudar a resolver isto que o SESARAM, através da Equipa da RCP apresentou candidatura ao Programa de Apoio Integral a Pessoas com Doenças Avançadas da Fundação “la Caixa” para constituição de uma Equipa de Apoio Psicossocial.

Desde Outubro de 2018, dois assistentes sociais e dois psicólogos integram a EAPS-SESARAM e têm realizado intervenção e acompanhamento a doentes paliativos e seus familiares. “Esta intervenção para além das necessidades psicossociais, atende ainda às necessidades espirituais e garante apoio no processo de luto”, refere o Serviço de Saúde da RAM. Já foram acompanhados 95 doentes e 89 familiares, totalizando 834 intervenções no âmbito do serviço social e da psicologia. Do total destas intervenções 52 referem-se ao apoio no processo de luto complicado.

O SESARAM, através da Unidade de Cuidados Paliativos, foi uma das dez unidades do país seleccionadas para a constituição de uma Equipa de Apoio Psicossocial (EAPS), no âmbito do Programa Humaniza da Fundação La Caixa, um projecto que visa reforçar o apoio a pessoas com doenças avançadas.

Este Programa Humaniza da Fundação La Caixa teve início em Espanha em 2009 e tem alcançado resultados muito positivos no apoio aos doentes em cuidados paliativos e seus familiares, pelo que agora foi alargado à Região Autónoma da Madeira com vista alargar os seus benefícios a todos os cidadãos portugueses.

A EAPS é constituída por dois assistentes sociais e dois psicólogos. Concluído o processo de integração e de formação, esta equipa passará a intervir prestando apoio psicossocial, espiritual e no luto aos doentes referenciados aos cuidados paliativos e seus familiares, bem como apoio aos profissionais das equipas de saúde que os acompanham.

O Programa Humaniza dispõe de uma direcção operacional e uma direcção científica, que são responsáveis pelo acompanhamento da implementação do projecto, avaliação de procedimentos, resultados, prestando apoio científico, metodológico e de gestão.