Quatro dias da Páscoa na Madeira custam 658 euros na TAP e 555 euros na easyjet

TAP e easyjet andam pelos mesmos preços em períodos altos na operação aérea Lisboa/Madeira

Passar na Madeira os quatro dias mais simbólicos da época Pascal é um “rombo” na bolsa dos portugueses. Não é novo, acontece o mesmo cenário em épocas altas, já ocorreu no final do ano passado, com Natal e passagem de ano, mas volta a acontecer na Páscoa. Para um continental, é um luxo vir passar férias à Região nestes períodos. Com hotel e alimentação nem se fala.

Uma pesquisa de última hora, uma semana antes, podemos constatar, meramente a título de exemplo, que viajar na TAP, com vinda a 18 de abril, quinta-feira Santa, com chegada ao Funchal às 9 horas e partida no domingo de Páscoa às 23.10, permitindo usufruir dos dias completos na Região, custará 658.21 euros por pessoa, sendo que na easyjet, o mesmo trajeto custa um pouco menos, cerca de 555.12. Com algumas alternativas que ajudarão, porventura, a baixar os custos, nesta companhia, se por exemplo fizer o regresso na segunda-feira, 22 de abril, aí o preço total vem para 380 ou 349 euros.

Sem dúvida que esta questão relacionada com as viagens é recorrente, sem que se vislumbre qualquer solução à vista, naquele que tem sido um impasse negocial entre a Região e a República, motivando já a constituição de uma comissão de inquérito.

Esta temática tem sido alvo de enorme controvérsia, atendendo a que o Estado, apesar de ter capital na TAP, afirma ter pouca margem de manobra em termos de intervenção, deixando à companhia uma livre operação de mercado, que já motivou declarações do líder da companhia Antonoaldo Neves, de haver preços módicos na linha Madeira-Lisboa, o que na maior parte dos casos, de módicos não tem nada.

Recentemente, o apresentador da RTP Jorge Gabriel, que é um apaixonado pelo Porto Santo, onde vem várias vezes, colocou na sua página da rede social Facebook um “post” onde dá conta que um amigo comprou uma passagem para a Lisboa por 280 euros, só ida, e uma outra de 30 euros para Barcelona. E termina o “post” com esta palavra: “vergonha”.