“É mesmo para construir um novo Hospital?”, questiona a Iniciativa Liberal Madeira

hospital a
“O Governo Central quer pagar a sua parte do Hospital em “géneros”. Ainda por cima com “géneros” que lhe não pertencem”

A pergunta é da Iniciativa Liberal Madeira: “É mesmo para construir um novo Hospital?”. Em conunicado, aquela estrutura partidária fala em “trapaça no financiamento” e afirma que “retirar ao custo total da construção e equipamentos (321 M€) do novo hospital: o IVA (55 M€), e o “valor de devoluto” dos Hospitais Dr. Nélio Mendonça (63,4 M€) e Hospital dos Marmeleiros (9,6 M€), para sobre esse valor calcular o apoio dos 50%, é uma trapaça. Já tinha sido muito estranho o Governo da República não querer contribuir na fase das expropriações, mas agora é demais!”.

Por analogia, refere a ILM, “imagine que ia almoçar com um amigo dividindo a conta ao meio. Era um almoço de interesse comum… Ao chegar a conta, o dito amigo retira o IVA do valor total da conta, desconta o valor estimado do que tinha no seu frigorífico como almoço alternativo e desse montante está então disponível para pagar metade. Trapaça!”

Para a Iniciativa Liberal, liderada por Nuno Morna, “o Governo Central quer pagar a sua parte do Hospital em “géneros”. Ainda por cima com “géneros” que lhe não pertencem. Muito nos admira que não tenham acrescentado ao rol os Centros de Saúde e o Prédio da Caixa. O que tão bem saberia aos madeirenses era que descontasse o Representante da República, essa enorme inutilidade tutora da Autonomia. Aí não ficaríamos muito chateados com o desconto”.

É necessário assegurar que se vai mesmo construir o Hospital. A decisão de ontem do Governo da República de que afinal os 50%, não passam de 27%, podem fazer com que a novela tenha um volte-face ou volte tudo ao momento zero.