Paulino Ascensão diz que GR não devia “chorar lágrimas de crocodilo” por causa dos problemas da TAP nas ligações à Madeira

O Bloco de Esquerda/Madeira reagiu hoje às notícias que dão conta de novos cancelamentos de voos e congestionamento de passageiros no aeroporto da Madeira considerando “lamentável que a TAP abandone os passageiros com destino à Madeira à sua sorte nos aeroportos”, mas ainda mais lamentável “que o Governo Regional não assuma a sua responsabilidade nesta situação, porque foi quem decidiu liberalizar a linha aérea Madeira – Continente e, portanto, isentar a TAP de obrigações de serviço público para com os madeirenses”.

Para o BE, se a TAP não está obrigada a cumprir regras de serviço público nas ligações à Madeira, isso acontece por escolha do PSD, no Governo Regional, ao liberalizar as ligações aéreas em 2008. “Não vale a pena vir agora chorar lágrimas de crocodilo e lamentar as consequências dos seus próprios actos”, sentencia Paulino Ascensão, coordenador do BE/M.

“Os privados têm apenas preocupações com o seu lucro e não com o serviço público”, conclui.

O cancelamento de voos por razões operacionais e a prática de preços abusivos para a Madeira acontecem por ausência de regras, acrescenta. “Dez anos é tempo suficiente par aperceber que a liberalização não funciona na Madeira”.