Roberto Rodrigues foi ao Estreito questionar o escoamento da uva no corrente ano

O candidato centrista à Câmara Municipal de Câmara de Lobos nas próximas eleições autárquicas, Roberto Rodrigues, esteve hoje acompanhado dos restantes membros da sua candidatura na Festa do Vinho e da Vinha do Estreito, para assistir ao cortejo alegórico e etnográfico. Na ocasião, falou do problema do escoamento da uva, que, salientou, se repete todos os anos.

“Este ano tem sido excepcional para a produção, que deverá duplicar em relação ao ano passado. Neste momento, está já a surgir um problema que deverá agravar-se na próxima semana, e que tem a ver com o recebimento destas uvas por parte das casas de vinho, que dizem estar já cheias, já não conseguindo receber mais”, referiu o candidato do CDS. Ora, salientou, 50 por cento da produção está ainda para ser apanhada nos terrenos.

A questão que se coloca, insistiu, é saber qual é a estratégia do Governo Regional para, num ano excepcional como este, escoar toda a produção que existe no Estreito. Roberto Rodrigues questionou ainda se o GR irá pugnar por manter pelo menos o valor pago o ano passado pelas uvas que receber nos seus armazéns e depósitos.

A produção do ano passado, acrescentou, e ao contrário do que alega o Governo Regional, correu bem, mas “não foi escoada como se dizia”. Isto porque as casas de vinho estão a alegar, para não receber mais uvas, que infelizmente a produção do ano passado desse produto “não foi a que era desejada, e consequentemente, a propaganda do Governo não se veio a verificar”.

Questionando as autoridades do GR, da edilidade e da Junta, Roberto Rodrigues insiste: “No meio desta festa toda, será que já garantiram que pelo menos a produção deste ano será escoada ao mesmo valor que no ano passado?”