Jornalista despedido mata dois colegas a tiro nos EUA

bryce

Foi mais um evento a sublinhar aquela que tem sido uma das principais frustrações do presidente norte-americano, Barack Obama: um jornalista, aparentemente despedido de uma estação de televisão da Virginia, EUA, na sequência de uma queixa de um cameraman da estação, matou o referido cameraman a tiro, e também uma jornalista de 24 anos quando ambos estavam a entrevistar, em directo, a líder da câmara de comércio de uma pequena localidade.

Obama admitiu recentemente que uma das suas maiores frustrações foi não ter conseguido implementar regras de controle de armas de fogo mais restritivas, num país assolado por frequentes massacres com as mesmas em lugares públicos.

O mais caricato da situação é que o agressor filmou o seu próprio acto homicida com a câmara de um telemóvel, e depois de matar ambos os seus antigos colegas, postou as imagens na Internet, acompanhando-as de comentários no twitter.

Vester Lee Flanagan, de 41 anos, um ex-empregado da WDBJ7 TV, conhecido profissionalmente como Bryce Williams, acabou por suicidar-se com um tiro de pistola, no interior do carro no qual fugiu de uma perseguição policial. No momento do acto fatal, encontrava-se cercado.

Sete horas antes, matara a tiro a repórter Alison Parker e o cameraman Adam Ward durante uma entrevista na cidade de Moneta.

A Casa Branca exortou o Congresso a fazer passar rapidamente leis de controle de armas de fogo, no rescaldo de mais este drama ocorrido em terras estadunidenses.

 

A Polícia do Estado de Virginia disse que o veículo do suspeito fora visto na autoestrada interestadual 66 depois do tiroteio, e que, depois de uma perseguição, se precipitara para fora da estrada.

Os polícias cercaram o carro e encontraram o condutor já atingido a tiro, pela sua própria mão.

Posteriormente, o homicida morreu no hospital.