Legislativas 2022: “São cada vez mais os cidadãos que descobrem que são liberais e não sabiam”

O cabeça-de-lista do partido Iniciativa Liberal às Legislativas Nacionais de 30 de janeiro é Duarte Gouveia.

FUNCHAL NOTÍCIAS: Com que objectivo o IL concorre pelo círculo da Madeira?

DUARTE GOUVEIA: A Iniciativa Liberal quer uma sociedade mais liberal, na economia, na sociedade e no sistema político. Os partidos liberais são normais na Europa, estando até em 11 governos europeus. O que quase não encontramos nas soluções de governo na Europa são partidos radicais de inspiração comunista (logo iliberais), que foram desaparecendo desde a queda do muro de Berlim há mais de 30 anos.

FN: Quais são as cinco principais medidas que merecem ser defendidas na Assembleia da República?

DG: A Iniciativa Liberal apresenta hoje em Guimarães em extenso programa eleitoral com 98 propostas. Todas elas visam resolver problemas do país e promover o crescimento da economia que é o problema mais grave, uma vez que estamos há duas décadas em câmara lenta em termos económicos. Tendo de escolher apenas 5, escolho 3 relativas à Madeira e 2 nacionais. A Madeira precisa de um sistema fiscal próprio, onde para além das taxas se possam estabelecer bases de incidência de impostos que sejam simples e atrativos para empresas internacionais cá se estabelecerem. Face aos constrangimentos crescentes da ZFM, toda a Madeira deveria ser uma zona de fiscalidade reduzida (como existem várias na UE), para com competitividade fiscal promover os emprego muito qualificado e prosperidade económica.

A insularidade é um constrangimento permanente que só se resolve com políticas de efetiva continuidade territorial. Assim propomos o incentivo ao estabelecimento de 2 linhas triangulares de ferry ro-ro entre Açores, Madeira, Canárias e o espaço continental, em que a Madeira é um ponto de união destes circuitos.

Nas ligações aéreas, propomos que em vez do atual incentivo ao passageiro que se mostra prejudicial ao mercado concorrencial, propomos que se apoiem as companhias nos custos fixos no aeroporto, baixando as barreias as entrada, e os custos fixos da operação. Com mais companhias a fazer linhas com a Madeira teremos mais concorrência e inevitavelmente melhores preços.

O sistema eleitoral Português precisa de uma profunda reforma. Nem com 2 anos de pandemia se reformaram as práticas que continuam a ser a do papel e da segurança do lacre vermelho. Deve ser possível muito mais possibilidade de voto, antecipável, feito à distância ou em mobilidade. Os círculos eleitorais devem ter um círculo de compensação nacional (para garantir proporcionalidade e não ter votos perdidos) e promover a proximidade do eleitor-eleito, limitando o papel das direcções partidárias nas escolhas dos eleitos. Eleitos liberais pensam pela sua própria cabeça e são livres.

O sistema de justiça precisa de profundas reformas para que, sem prejudicar os direitos de defesa, se adoptem práticas mais ágeis e eficientes para uma justiça mais célere.

FN: Quem são os seis candidatos efectivos do IL?

DG: Os 6 primeiros candidatos são : Duarte Gouveia, engenheiro informático e docente universitário. Funchal; Alicia Teixeira, licenciada na área social, formadora, Santa Cruz; José Carlos Gonçalves, empresário de seguros; São Vicente; Victor Gomes, engenheiro informático, Machico; Carla Chaterly, Professora, Funchal; José Augusto, educador de infância, Ponta do Sol.

FN: Quanto vai gastar o IL-Madeira nesta campanha?

DG: A Iniciativa Liberal irá gastar aproximadamente 5000eur.

FN: Para ser eleito são precisos entre 14 a 15 mil votos. Com 16 forças políticas a concorrer que hipóteses tem o IL?

DG: Cada eleitor decide o seu voto. Achar que tudo será como sempre foi é um pensamento profundamente conservador e nós somos liberais. A adesão à IL dos jovens é enorme. São cada vez mais os cidadãos que descobrem que são liberais e não sabiam.